aLer+

Atividades em 2018-2019

   
Biblioteca

 
2016-2017
2015-2016
2014-2015
2013-2014
2012-2013
2011-2012
2010-2011
2009-2010
2008-2009

Entradas de títulos no ano letivo 2018-2019: 1, 2, 3

     
     
DIA AO CONTRÁRIO

Com as turmas 11º D, 11º E e com os alunos de Geometria do 10º D, fomos ao outro lado do Atlântico, recuperar um antigo e “Bom conselho” de Chico Buarque. Escutámos com atenção, ouvimos repetidamente, as vezes necessárias para reconhecer as frases feitas e ensinamentos tradicionais que o poeta e cantor brasileiro sistematicamente subverte nesta canção. Procurámos entender.

Depois aproximámo-nos, no espaço e no tempo, e lemos algumas entradas do exercício de imaginação que é a Enciclopédia da Estória Universal, de Afonso Cruz. (Ver)

Desafiámo-nos a acrescentar-lhe algumas páginas, com razoável êxito. Exs:

********************************************************************************************

Hospital com admissão interdita a doentes

Hospital onde só é admitida a entrada de pessoas saudáveis. Dispõe de macas onde médicos, enfermeiros e pessoal auxiliar descansam, enquanto os clientes contam anedotas.

Teatro do Público

Neste teatro, os espectadores pagam o seu bilhete para poderem encenar e representar. Dramaturgos, atores, encenadores, técnicos de som, de luzes e restantes profissionais sentam-se para assistir.

Biblioteca Beach

Local aberto das 2 às 8 da manhã, onde o bibliotecário dança e convive, ao som de poemas, romances e vários outros textos, lidos com entusiasmo pelos frequentadores.

************************************************************************************************

P.S. – O DIA AO CONTRÁRIO não foi invenção nossa, mas surgiu como um excelente pretexto para ler, conversar, pensar, escrever. 31 de janeiro é um dia de fazer tudo ao contrário. O objetivo é abanar a rotina do quotidiano e libertar a mente da prisão da normalidade. A data como é hoje celebrada tem origem nos Estados Unidos da América (o popular Backward Day), mas em várias culturas espalhadas pelo mundo já se registava um dia onde as regras eram viradas ao contrário, tornando-se o ilegal legal e o proibido permitido. Na Roma Antiga, por exemplo, festejava-se a Saturnália, em dezembro, uma festa onde se viravam as normas do avesso por um dia, com os senhores a servirem os escravos à mesa e com o jogo a ser permitido.

https://www.calendarr.com/portugal/dia-ao-contrario/

ver+

     
DIA INTERNACIONAL EM MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DO HOLOCAUSTO Foi no dia 27 de janeiro de 1945 que teve lugar a libertação do principal campo de concentração nazi, Auschwitz, na Polónia, pelas tropas da União Soviética, o que justifica a escolha da data para Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.
Anualmente, a Organização das Nações Unidas escolhe um tema para esta data: em 2019, é dedicada à reflexão sobre a defesa dos Direitos Humanos, por ser um dia de lembrança e homenagem aos milhões de vítimas do genocídio da Alemanha nazi sobre os judeus, os opositores ao nazismo, os ciganos, os homossexuais, os deficientes físicos e mentais.
Na ESPJAL, ao longo da manhã de 2ª feira, a efeméride foi assinalada em todas as turmas do 9º ano, cujas aulas foram interrompidas para uma breve troca de palavras e a leitura de um capítulo do livro SE ISTO É UM HOMEM, de Primo Levi (pode ser lido aqui).

ver+

     
CONCURSO NACIONAL DE LEITURA Lista dos alunos apurados para a 2ª fase do Concurso Nacional de Leitura.
     
OS MEUS LIVROS, com João Pinto Coelho

Licenciado em arquitectura, professor e escritor, participante em ações do Conselho da Europa com lugar em Auschwitz, colaborador em trabalhos de investigação sobre o Holocausto, responsável pelo projeto “Auschwitz in 1st Person/A Letter to Meir Berkovich”, João Pinto Coelho esteve na nossa escola, a convite do aler+.

No auditório, repleto, alunos do Secundário, professores e convidados envolveram num silêncio tenso, espesso, uma comunicação que cumpriu amplamente a auto-imposta missão de passar o testemunho, de contribuir para a perpetuação da memória colectiva. Com rigor e emoção, mas com a contenção imposta brutalidade extrema do relatado, o escritor colocou discretamente os seus livros – extraordinários livros - num plano secundaríssimo, perante a dimensão das experiências humanas de que se alimenta a sua escrita.

Perguntem a Sarah Gross (D. Quixote, 2015) e Os Loucos da Rua Mazur (Prémio Leya 2017) – a ler, enquanto aguardamos o próximo título de João Pinto Coelho.

ver+

     
ENIGMAS COM LIVROS

Novas caras, muitas, novos livros, bastantes, o mesmo propósito e a mesma energia, na realização do jogo “Enigmas com Livros”, para o qual todas as turmas do 10º ano são convidadas. Agrupados em equipas, os alunos são postos perante perguntas cuja resposta é tudo menos óbvia, implicando a identificação do título ou autor, a sua localização, a leitura de determinada passagem. As fotos, como sempre, dão conta do entusiasmo.

ver+

     
MARATONA DE LEITURA  
     

LEITURAS PARTILHADAS - UM DEUS PASSEANDO PELA BRISA DA TARDE

 

Renovando uma experiência bem sucedida, a professora Adélia Simas proporciona aos alunos do 10º ano), a propósito do estudo da civilização romana, a descoberta do conhecido e premiadíssimo romance de Mário de Carvalho (Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores 1995, o Prémio Fernando Namora, o Prémio Pégaso de Literatura e  Prémio Literário Giuseppe Acerbi). Cada aluno começa por ler um capítulo, sendo a sequencialização da narrativa reconstituída e debatida numa sessão na Biblioteca. Feita a apresentação do escritor e do livro, fica aberto o caminho para a leitura integral.

ver+

     
CONCURSO NACIONAL DE LEITURA  
     
LEITURAS EM VOZ ALTA

Ler em conjunto proporciona o treino da articulação, da colocação, da expressividade. Dá lugar, também, à reflexão e à expressão de pontos de vista, em intervalos abertos ao aprofundamento de questões sugeridas pelo texto. Os alunos do 8º B da professora Celeste Pires, nas seis sessões na Biblioteca dedicadas à leitura integral de O PRINCIPEZINHO, souberam tirar pleno partido da oportunidade, com intervenções muitas vezes surpreendentes pela maturidade e capacidade interpretativa que revelavam.

ver+

     
JOSÉ SARAMAGO
     

CENTENÁRIO DO ARMISTÍCIO

 

A proposta, imediatamente aceite, de comemorar na Biblioteca o centenário do Armistício, veio da professora Maria da Luz Gil, decorrente da abordagem do “Rememberance Day”, na disciplina de Inglês.

A primeira sessão realizou-se, então, com o 10º D: abriu com uma exposição sobre o significado desse dia na cultura inglesa e o seu vínculo à I Guerra Mundial, apresentada à turma pelas alunas Alice Marques e Margarida Afonso e pela leitura de dois poemas, “In Flanders Fields”, de John Mccrae, e “We Shall Keep the Faith”, de Moina Michael , pelos alunos Nicolau Martins, Eva Pires, Nuno Lages, Raquel Rodrigues, Gonçalo Santo e Ana Silva.

No 10º A, que veio acompanhado pelo professor de Português, Manuel Costa, os poemas foram lidos por 6 alunas: Constança Primor, Catarina Antunes, Jessica Lima, Sofia Fernandes, Rafaela Pereira e Joana Neves. Conversámos um pouco sobre os poemas, destacando a simbologia da papoila e, de seguida, lembrámos grandes escritores e grandes romances marcados pelo conflito de 1914-18, como Tolkien e O HOBBITT ou O SENHOR DOS ANÉIS, Erich Maria Remarque, de cujo A OESTE NADA DE NOVO vimos o início da adaptação cinematográfica ( https://www.youtube.com/watch?v=vMCB9wjg4sE ), ou O ADEUS ÀS ARMAS, de Ernest Hemingway, romance de que lemos algumas páginas (pp. 66-73, Livros do Brasil, 2015).

As sessões do 9º A e do 9º B foram articuladas com a disciplina de História, lecionada pela professora Adélia Simas, tendo alguns alunos tido ainda oportunidade de fazer uma breve pesquisa sobre os escritores referidos. 

Conhecer a data e os acontecimentos que a rodearam, para lembrar e homenagear, foi o objetivo primeiro desta atividade, mas não esquecendo o de conhecer para estar alerta a qualquer forma de repetição de tais acontecimentos, num tempo, como este nosso, de tantas ameaças.

ver+

     
ORIGAMI

O Atelier de Origami da nossa Escola colaborou com a Biblioteca em diferentes comemorações, como o 25 de Abril ou o Dia Mundial do Livro. Desta vez, quisemos associar-nos à celebração do Dia Mundial do Origami (13 de novembro) e recebemos a turma do 10º D para uma sessão que começou com a partilha de informação sobre alguns aspetos das tradições culturais japonesas, nas quais sobressai a sofisticada e artística utilização do papel. Falámos sobre o Romance do Genji provavelmente o romance mais antigo da literatura universal, e sobre a sua autora, referindo ainda o impacto da cultura japonesa no ocidente. A acompanhar, leituras de excertos de A História de Murasaki, de Liza Dalby e de Os Fios, de Sandra Catarino. A segunda hora foi de extrema concentração, na feitura de maravilhas de papel : seguindo as orientações das professoras Helena Matos e Maria João Cortegaça, os alunos dobraram o modelo do “patuá”, da criadora Yara Yagi.

ver+

     
FLUIR Na próxima quarta-feira, dia 24, 17:00h, contamos com a tua presença no lançamento da revista Fluir. Na Biblioteca.
     
PARAR PARA LER O PARAR PARA LER

na ESPJAL

na EB1 Santo António de Tercena

na Escola EB1/JI Cesário Verde

na EB1 Gil Vicente

     
À DESCOBERTA DOS LIVROS

Começo do ano, encontro com os recém-chegados: as turmas do 7º ano visitam a Biblioteca, recebem as informações indispensáveis, trocam impressões sobre livros, leituras, e passam depois algum tempo “À Descoberta dos Livros”. Desta vez, com a colaboração das professoras de Português Celeste Pires e Céu Almeida.

ver+

     
SONHOS NA BIBLIOTECA

Deparámo-nos com um Dia Mundial do Sonho, o dia 25 de Setembro, escolhemo-lo como mote para abrir as actividades da Biblioteca e convidamos turmas do 9º e do 12º anos para o comemorarmos.

Comum a todas as sessões foi a reflexão sobre os diferentes sentidos da palavra, as diversas vivências que envolve, o grau de importância que pode assumir.

O 9º A, B, C, E e F lembraram o sonho de Martin Luther King e ouviram também excertos de um famoso sonho da literatura universal, o Sonho de uma Noite de Verão, de William Shakespeare, na adaptação de Mary e Charles Lamb. A última parte foi de silêncio (o possível) e escrita de breves narrativas: nuns casos, a continuar a história criada pelo dramaturgo inglês, noutros, a contar sonhos – inventados, vividos, acordados ou a dormir.

O 12º B escutou primeiro “I love my dreams”, poema de Alexander Search, na maravilhosa versão da banda que adotou o nome deste heterónimo pessoano e, em seguida, a leitura do “Sonho de Fernando Pessoa, poeta e fingidor”, de António Tabucchi. Feita a ligação ao poeta, a professora de Psicologia, Teresa Rodrigues, apresentou uma iniciação muito esclarecedora à teoria do inconsciente, de Freud, que tanta importância teve no pensamento e na arte das primeiras décadas do século XX. A finalizar, houve ainda um tempo breve para a escrita de frases, curtos apontamentos em torno do sonho.

Estilhaçamento do ser, com grande profundidade

O sonho é a janela aberta ao conhecimento interior

Sonhar é universal, não depende de géneros ou cores

Nem sempre sonho, mas quando sonho é contigo

ver +

     
OUTUBRO - MÊS INTERNACIONAL DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES  
     

aLeR+ 2027

Entre o conjunto de escolas aLeR+, as entidades responsáveis – Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) e Plano Nacional de Leitura (PNL) – identificaram um número limitado de agrupamentos/ escolas não agrupadas, que constitui o grupo base para o arranque da nova fase do projeto, a partir de setembro de 2017, que recebeu a designação aLer+2027.

Com enorme contentamento, anunciamos que a Escola Secundária Professor José Augusto Lucas foi selecionada para integrar este grupo, que irá dar continuidade e renovar a sua atividade de promoção do gosto pela leitura.  

De acordo com o documento recebido, “para a seleção e validação deste grupo foram considerados diversos elementos:

1) Consulta aos Coordenadores Interconcelhios das Bibliotecas Escolares (CIBE) sobre as escolas e agrupamentos integrados no projeto, detentores de uma cultura de leitura promotora do gosto, das competências e dos hábitos de leitura.

2) Recolha de informações derivadas do conhecimento dos projetos pelos técnicos do PNL/RBE, a partir dos relatórios, materiais e visitas de acompanhamento realizados.

3) Cruzamento com outros projetos, candidaturas e iniciativas no âmbito da leitura.

4) Experiência e continuidade dos projetos.

5) Amostragem de diversidade de práticas e experiências de leitura.

6) Progressão consistente dos projetos.

7) Projeção nas escolas, comunidades locais e outros contextos.

8) Solidez das condições organizacionais, humanas e materiais oferecidas.”